quinta-feira, 11 de abril de 2013

Sobre os temas atuais, bombardeando e-mails e redes sociais...

O Universo Sagrado é filho de um grande desejo meu em compartilhar idéias, descobertas, conhecimento e demais assuntos que possam incentivar a criatividade, a reflexão, o entendimento (ou à tentativa de), as discussões saudáveis, a cooperatividade, enfim, a proposta do Blog é juntar pessoas para que, em bloco, consigamos deixar alguma contribuição  positiva e luminosa, nesses tempos de desesperança, desagregação, desrespeito e doenças, que nos tiram as perspectivas nos empurrando para um buraco sem fundo e nos deixam paralisados, atônitos e sem saber como seguir adiante.

Os nossos e-mails tanto quanto as redes sociais, viraram palco de desabafos, ao invés de cumprir o propósito de ampliar as possibilidades de comunicação entre diferentes culturas, filosofias, credos e aumentar as chances de enriquecimento no campo dos relacionamentos tanto quanto no campo do conhecimento.

Lendo essas inúmeras crônicas, posts, Blogs e etc.., onde todos os dias vemos as mesmas queixas escritas, umas por pessoas brilhantes, outras nem tanto, porém idênticas em seus conteúdos indignados, inflamados pela revolta e pela indignação, me perguntei:

Onde devo procurar respostas?

Os protestos se multiplicam dão volta ao mundo, cheios de comentários, por vezes mais irados do que o texto inicial, e tudo continua na mesma no cotidiano de cada um de nós.
É incrível a necessidade de apontar culpados e continuar não fazendo nada para mudar tudo isso.
É incrível que alguns consigam se satisfazer com os prêmios de consolação, de curta duração, para em seguida voltar para a posição do queixoso - da vítima em busca de seu algoz.
Tenho visto ultimamente muitos posts e PPS´s mostrando a capacidade de recuperação de outras culturas, diante de situações trágicas.
Será que é mágica?  Será que seus líderes são semi-deuses?  Ou será que a sociedade inteira se mobilizou e se disponibilizou para cooperar, num esforço humano focado e amplo, já que lá do fundo do poço, conseguiram olhar para cima e se dar conta que o céu continuava ali, com o SOL brilhando durante o dia e a LUA à noite.  Que talvez a tragédia não fosse tão imensa e que se SOMASSEM esforços, conseguiriam beneficiar a todos!  Que, já que estavam vivos, tinham mais era que agradecer e seguir adiante fazendo mais e melhor.  Ou ainda, num lampejo de consciência, se deram conta do tamaninho que temos e que a nós só nos cabe FAZER A NOSSA PARTE, mas jamais DEIXAR de FAZER.

Quanto desperdício da energia da ação - o FOGO, jogado fora em tanta indignação e revolta.  Um desperdício tão grande que vai se amontoando, vira lixo, apodrece de tal forma que impede os processos de reciclagem da própria natureza.

Quanta importância é dada ao irresponsável, ao corrupto, ao bandido, permitindo que ele ocupe durante meses, as primeiras páginas dos jornais e revistas, onde nós lhes proporcionamos, como prêmio pelas suas más ações, um destaque muito especial e por um longo período de tempo.

Porquê não valorizar mais as soluções do que os problemas?  O quê nos impede de juntar um grupo de ilustres pensadores, com suas brilhantes idéias a um grupo de gente simples que sabe fazer e não damos uma guinada no volante desse carro desgovernado para mudar seu rumo, desacelerar e seguir por uma rota menos esburacada e mais reta para que TODOS consigam chegar mais rápido?

Afinal, não somos nós mesmos que elegemos os que erram?  Não somos nós que fazemos deles estrelas no palco da vida quando discutimos sobre eles o tempo todo?  Não somos nós que optamos por reclamar, sem nem mesmo saber muito bem porquê, com um misto de indignação e admiração?  Sim, porque para serem tão comentados e tão discutidos, esses "pseudo-culpados" só podem estar inspirando uma imensa fascinação em todos nós.

Pois bem.  Eu deixo aqui também registrado o meu protesto.  Mas não contra alguém em especial ou algum líder em especial.  Quero ver registrada a minha indignação, por ver tantas descobertas, tantos pensamentos criativos, brilharem como uma estrelinha de última categoria, no verso da última página dos jornais e revistas.  Por ver tantos temas interessantes, esquecidos no dia seguinte ao que foram publicados.  Tantos POSTS  reflexivos, interessantíssimos, carregados de informações e idéias que se bem utilizadas podem ser extremamente úteis, nem serem lidos quanto mais comentados e ainda por cima, os poucos que merecem alguma atenção sendo acusados de bobagens chatas e sem importância, ou ganhando apenas uma "curtida" para massagear um pouquinho o EGO de quem postou.  Deixo aqui o meu protesto por constatar como nos satisfazemos com o "prêmio de consolação" ao invés de ousar viver as mudanças, só porque temos muito, mas muito mesmo, medo da dor e do sofrimento.

O que eu espero de mim é que eu consiga seguir adiante.  E continue firme no meu trabalho de formiguinha de mostrar para mim mesma e para os que se interessarem pelo que realmente possa valer a pena gastar tempo e energia para conhecer, que apesar desses absurdos, o SOL continua nascendo no mesmo horário e cedendo lugar à LUA ao anoitecer; as PLANTAS e FLORES continuam seu esforço silencioso de cumprir seus ciclos e nos beneficiar com suas cores e perfumes, com suas propriedades medicinais, apesar de todas as nossas tentativas de destruí-las; o AR, mesmo poluído, continua nos permitindo respirar; as ÁGUAS continuam seu movimento contínuo mesmo que alguns rios não tenham conseguido sobreviver ao nosso instinto predador;  a TERRA, segue lenta seu caminho em volta do SOL; as pessoas que FAZEM, estão ocupadas demais até para falar, até para protestar e, que esse esforço nunca foi nem nunca será em vão. Mas, se o número de consciências e comprometimentos aumentar, os resultados poderão ser mais rápidos e eficientes.

Desejo a todos uma linda noite e espero sinceramente que a nossa sociedade, desperte desse pesadelo, amadureça e desabroche para que todos juntos - cada um dando o melhor de si - consigamos que nossos descendentes possam viver num mundo mais coerente, mais justo e mais FELIZ.

Isabel Redig
11/04/2013